/* Google Analytics */

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Estratégias de Desinvestimento: entenda o que é e a importância para sua startup!
Planejar o futuro de uma startup não representa apenas a busca por um modelo de negócios escalável, decidir quando a sua equipe ficará maior ou se a empresa precisa mudar de escritório. Ao longo do crescimento, assim como uma startup precisa de investimento, ela precisa de desinvestimento. Neste contexto, cabe ao empreendedor entender isso e se organizar para quando esse dia chegar.
O assunto desinvestimento ainda é incomum no Brasil, muito por conta das poucas saídas já vistas no mercado. Por outro lado, planejar esse momento pode ajudá-lo a conseguir investimento e também se proteger numa eventual saída. Neste artigo iremos detalhar a importância de se planejar estratégias de saída e apresentar um mecanismo fundamental para empreendedores: a cláusula de drag/ tag along. Acompanhe:

A importância do pensamento no longo prazo

Uma startup de sucesso é construída dia após dia, através do trabalho dos seus fundadores e colaboradores. Contudo, um bom planejamento de médio e longo prazo também são fundamentais para saber onde se quer chegar e encontrar meios para isto.

Empreendedores que se planejam para o futuro costumam enfrentar os problemas de uma nova empresa de maneira mais consciente do que aqueles outros que esperam as dificuldades surgirem. Isso se aplica também aos investimentos: boa parte dos investidores costuma utilizar a estratégia de planejar uma saída logo na entrada do negócio. Ou seja, a startup terá um determinado tempo para se mostrar viável para uma venda ou para outro investidor. Caso isso não aconteça, o empreendedor precisa estar preparado para as opções que virão.

Opções de saída

O sonho de um empreendedor é levar sua empresa a um IPO (Initial Public Offering ou, em português, oferta pública inicial), que consiste quando as suas ações são colocadas à venda na bolsa. Porém, além de ser um processo lento, é reservado para poucas startup de sucesso. No Brasil, as chances são ainda menores. Dessa forma, é preciso se voltar à realidade e entender quais realmente são as opções de saída mais acessíveis para a sua startup.
Ser vendida para um concorrente é uma das opções mais comuns. Em geral, esse concorrente será uma empresa muito maior. Esse comprador também pode ser uma empresa que veja na startup algo complementar ao que ela já oferece. Fundos de private equity e até outros investidores também podem se tornar opções, comprando apenas a parte do investidor ou toda a operação da empresa. Por fim, pode haver um compra interna, quando os investidores retomam a parte do investidor ou o contrário.

Cláusulas de Drag along/ Tag along

Independentemente da opção de saída, que muitas vezes dependerá da situação momentânea da empresa, estar preparado para ela é dever do empreendedor - tanto para não ser surpreendido, quanto para não ser prejudicado.Neste sentido, há duas cláusulas que podem fazer parte do contrato de investimento: drag along e tag along.
Na cláusula de drag along, os acionistas são forçados a vender suas ações quando o majoritário vender também, pelas mesmas condições. Já na cláusula tag along ocorre o oposto, com a proteção dos minoritários que podem vender as suas ações pelas mesmas condições do majoritário. Isso evita que se façam acordos paralelos, favorecendo uma das partes.
Estar atento a estes pequenos detalhes jurídicos dará mais tranquilidade aos empreendedores sobre a operação do negócio, garantindo que, no futuro, seus direitos estarão protegidos.

Você já planejou suas estratégias de desinvestimento? Incluiu as cláusulas de drag/ tag along? Aproveite os comentários abaixo para esclarecer as suas dúvidas!.

  Achou este post útil? Compartilhe com seus amigos e conhecidos, bastando clicar nos ícones do twitter, facebook, etc. abaixo ou ao lado

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Quais são as habilidades necessárias para se tornar um CEO campeão



Muitos podem se tornar chefes. Líder, nem tantos. Sentar em uma cadeira ocupando a posição de CEO e assumir toda a responsabilidade que vem com o cargo é um desafio e tanto. É preciso se preparar! Para desempenhar a função com sucesso, algumas habilidades são fundamentais. Confira quais são:


Ser um exemplo

Para estimular determinado comportamento ou filosofia na equipe, é preciso ser um exemplo daquilo que se prega. Nenhum líder pode ter tolerância zero com atrasos e chegar todos os dias horas depois do início do expediente. Cobrar uma postura de entregas dentro do prazo, se nem sequer responde aos e-mails em tempo hábil.


Entre as habilidades necessárias para ser um CEO de sucesso está servir de exemplo para toda a equipe. Praticar no dia a dia aquilo que prega e defende na missão, na visão e nos valores da empresa, preservando a cultura determinada para a organização. Quando o time admira seu CEO, se dedica ao máximo e, consequentemente, alcança os melhores resultados.


Humildade em reconhecer a importância da equipe

Mesmo com um cargo de CEO, é fundamental ter humildade para reconhecer que você não sabe tudo e, por isso, cada integrante de sua equipe desempenha um papel complementar, de extrema importância para o sucesso de sua startup. Demonstre envolvimento com o seu time, assim como faz com o seu negócio. Aproveite ao máximo o que cada um dos profissionais tem a acrescentar e aprenda com eles.

Ter uma rede de contatos sólida

Em um mercado cada vez mais competitivo, não basta dominar apenas aspectos técnicos do negócio. Ter uma rede de contatos extensa e confiável é preciso. Para se tornar um CEO de sucesso é preciso saber fazer network e desenvolver relacionamentos sólidos tanto com potenciais parceiros quanto com possíveis investidores.


Flexibilidade é imprescindível

Saber adaptar-se às mudanças do mercado é fundamental para fazer um bom trabalho como CEO. As variáveis mudam a todo instante, então é preciso ser flexível e, na linguagem popular, fazer “do limão uma limonada”. É o CEO de uma editora e, de uma hora para outra, o preço do papel disparou? Por que não encarar o momento como uma chance de investir na base digital do negócio? Mudanças são inevitáveis. É necessário saber como lidar com elas.


Aprender com os erros

Errar não só é humano, como é uma condição inerente a um cargo de liderança - principalmente para as startups, que exigem testes e mudanças rápidas conforme a reação do mercado. Para ser um CEO de sucesso, no entanto, é preciso aprender com os erros e transformá-los em uma fonte valiosa de aprendizado não só para você como para toda a equipe. Admita o erro, analise o que aconteceu durante o processo e use isso como uma forma de aprendizado que levará ao crescimento.


Inovar é preciso!

Ninguém se torna um CEO de sucesso fazendo tudo sempre igual. Inovação é atributo fundamental para empresas de todas as áreas de atuação. Como líder da startup, é importante que o CEO seja um exemplo deste atributo, inovando não apenas nos produtos como nos processos de sua empresa. Para isso, instaure na cultura de sua startup o conceito de Open Innovation, angariando pensamentos, ideias, estudos e pesquisas de forma compartilhada em prol de melhorias


Ninguém nasce um CEO de sucesso. Os profissionais tornam-se CEOs de sucesso a partir de experiências e conhecimentos. Para isso, dedicar-se é fundamental. Desenvolva habilidades que ainda não tem e enriqueça ainda mais os seus pontos fortes. Os resultados serão satisfatórios e, certamente, você se tornará um CEO campeão aos olhos de todos à sua volta.

E você, possui mais alguma dica para agregar à nossa lista? Compartilhe-a conosco através dos comentários!

                                                           Achou este post útil? Compartilhe com seus amigos e conhecidos, bastando clicar nos ícones do twitter, facebook, etc. abaixo ou ao lado. 

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Startup Gaúcha recebe investimento anjo através da Anjos do Brasil



Investidores do Núcleo Rio Grande do Sul da Anjos do Brasil efetuaram o primeiro aporte após seu ingresso no projeto Xcala do FOMIN, membro do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), coordenado pelo IEMM (Instituto de Estudios Empresariales de Montevideo).

O Núcleo RS da Anjos do Brasil recebeu apoio do projeto Xcala para fomento a redes de Investidores Anjo e ampliação de suas atividades, incluindo eventos abertos, workshops de capacitação e encontros para apresentação de projetos para investidores anjo. Em apenas quatro meses do projeto já vemos o primeiro investimento desta nova fase, efetuado por investidores da rede na startup Postmetria.

A Postmetria é um software para Observação e Pesquisa Comportamental, além de um novo método de Pesquisa Quali-Quanti para a internet. Atua a partir de uma plataforma on-line autogerenciável e na nuvem. Visa encontrar e coletar comentários em texto, imagem e vídeo, para que você possa interpretar/analisar feedbacks espontâneos sobre produtos, marcas e mercados nas redes sociais e outros canais da internet.

Patrick Teysonneyre, um dos investidores, comenta sobre o que o levou a realizar esse investimento: “os diferenciais que me fizeram investir na Postmetria foram a capacidade de gestão e execução dos sócios, bem como a solução inovadora desenvolvida por eles, que possui potencial para revolucionar o campo da Observação e Pesquisa Comportamental”.

Segundo Cassio Spina, presidente da Anjos do Brasil: “A participação no Xcala tem contribuído para a ampliação da rede de investidores e para que os mesmos entendam as melhores práticas para investir com mais efetividade no RS”. Mark Woodhead, líder do Núcleo RS, convida a todos os que gostariam de investir nesta modalidade a participar da rede “Participem das atividades do nosso Núcleo e conheçam startups inovadoras em busca de investimento. ” (Inscrições para investidores aqui)

Sobre a Anjos do Brasil
A Anjos do Brasil é uma organização sem fins lucrativos que busca fomentar a cultura do investimento anjo em todo o Brasil. Compartilhando experiência e conhecimentos com empreendedores e investidores, a organização cria uma rede de relacionamento, com alto potencial de impacto em aporte financeiro e intelectual.

Sobre o Xcala
O Xcala nasce de uma aliança entre o Instituto de Estudios Empresariales de Montevideo (IEEM) em conjunto com o Fondo Multilateral de Inversiones (FOMIN) membro do Grupo BID. O projeto é uma plataforma para catalizar o investimento em etapas iniciais que tem por objetivo incrementar o acesso a financiamento dos empreendimentos dinâmicos através de redes de investidores anjo na América Latina e Caribe.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Saiba mais sobre nossos Parceiros Apoiadores

A Anjos do Brasil tem a honra e o orgulho de contar com o apoio de vários parceiros do ecossistema de investimento e empreendedorismo de inovação. Destacamos aqui os parceiros especiais que dão suporte para viabilizarmos nossas operações e patrocinam nossos eventos, são empresas de excelência e destaque em suas áreas de expertise e que muito tem contribuído conosco. Visite o site deles e conheça mais o que eles podem fazer também por sua empresa ou Startup.


A Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira.



A Bamboo Ideias cria soluções de comunicação para que seus clientes possam apresentar suas ideias de maneira a influenciar, inspirar e encantar pessoas, seja numa pequena reunião de trabalho ou numa conferência para centenas de pessoas. 

Com mais de uma década de existência, o Derraik & Menezes Advogados é um escritório com ampla atuação e ênfase em direito empresarial, que combina experiência local e visão global, oriunda de várias parcerias com escritórios estrangeiros e diversas operações internacionais.

Everlytic é a verdadeira integração de e-mail, ferramenta de comunicação via social e móvel que tem ajudado grandes empresas a conetar com as pessoas através de conteúdo de classe mundial, software web based. 



A  FGVFundação Getúlio Vargas, é um centro de qualidade e referência nas áreas de ensino, pesquisa e produção de informação. Contribuindo para a elevação da produtividade seja no setor privado ou público. 




A FIAP é um relevante centro de ensino de tecnologia, inovação e negócios. Seu foco em desenvolvimento de tecnologias, aliados aos drives de empreendedorismo e inovação, a tornam um centro de desenvolvimento de produtos e serviços digitais.


Grant Thornton oferece uma linha ampla de serviços, incluindo auditoria, consultoria tributária, trabalhista, empresarial, finanças corporativas e outsourcing para empresas privadas e empresas públicas, sediadas no Brasil ou no exterior. Sendo reconhecida pelo mercado como especialista em middle market. 


Gust oferece a plataforma global para o sourcing e gestão das primeiras fases dos investimentos. A Gust permite que os empreendedores colaborem com investidores suportando virtualmente todos os aspetos do relacionamento do investimento, desde o pitch até ao seu encerramento bem sucedido.



IBM, uma das maiores empresas de tecnologia da informação do mundo, é líder em soluções completas de TI, que envolvem serviços, consultoria, hardware, software e financiamento. Apoia Startups através do IBM Global Entrepreneur. 


InovAtiva Brasil é um programa do Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comércio Exteriro para capacitação, mentoria e conexão de negócios inovadores. Oferece aos empreendedores capacitação de nível mundial, acesso a mentores nacionais e internacionais e conexão com investidores e grandes empresas.


Insper é uma instituição de ensino e pesquisa sem fins lucrativos cuja missão é ser um centro de referência em educação e geração de conhecimento nas áreas de administração, economia, direito e engenharia, explorando suas complementaridades para agregar valor às organizações e à sociedade. 



A Just Traduções possui 27 anos de experiência na prestação de serviços de tradução, versão e revisão nas áreas jurídica, financeira, de negócios e técnica, em vários pares de idiomas, oferecendo segurança, sigilo e profissionalismo.





Realizado mundialmente, o programa Microsoft BizSpark tem a intenção de incentivar o desenvolvimento de jovens empresas de tecnologia, as chamadas “start-ups”, ao oferecer a elas recursos essenciais para seu crescimento, como acesso gratuito às tecnologias da Microsoft entre outros benefícios.


Conheça também todos nossos parceiros em 
www.anjosdobrasil.net/parceiros e os membros voluntários do nosso Conselho e apoiadores


terça-feira, 6 de outubro de 2015

Novas Ações nos Núcleos Regionais da Anjos do Brasil

A Anjos do Brasil é uma organização que acredita que o empreendedorismo de inovação está em todo o país! Veja abaixo as últimas novidades dos nossos núcleos regionais da região Sul:

Em agosto foi lançado o mais novo Núcleo da Anjos do Brasil, o RIA – Rede de Investidores Anjo de Santa Catarina, em parceria com a ACATE (Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia). A adesão de investidores tem sido excelente e diversas ações como palestras, workshops e networking começaram a acontecer para contribuir com o desenvolvimento do Empreendedorismo de Inovação na região. Agora é o momento de começar a receber projetos de empreendedores, veja os projetos que buscamos e cadastre o seu aqui.

Os Núcleos Rio Grande do Sul e Curitiba foram selecionados para apoio pelo projeto Xcala, uma aliança entre o Instituto de Estudos Empresariais de Montevidéu (IEEM) e o Fundo Multilateral de Investimentos (FOMIN), membro do Grupo BID. Este projeto é uma plataforma para catalizar o investimento em etapas iniciais que tem por objetivo incrementar o acesso a financiamento dos empreendimentos dinâmicos através de redes de investidores anjo na América Latina e Caribe.

Com o apoio do Xcala, está sendo possível realizar diversas ações nestes Núcleos, como o Encontro com Anjos do Brasil que aconteceu em Porto Alegre no Tecnopuc em agosto. Neste evento, tivemos casa lotada para entender mais sobre investimento anjo e inovação com Mark Wookdhead (Anjos do Brasil), Prof. Rafael Prikladinicki (Tecnopuc), Pedro Melzer (e-Brics) e com os investidores anjo Jaime Wagner e Fábio Ramos. 

Para a realização de mais atividades, as parcerias locais são fundamentais, pois representam a   maior interação entre os diversos atores que compõem o ecossistema local de apoio ao capital empreendedor. Atualmente o Núcleo RS conta com os seguintes parceiros: Xcala, IEEM, Fomin, AGDI, CRP, Estarte.me, FIERGS, Nós Coworking, POA Digital, Incubadora Raiar, Startpar, Tecnopuc, UFRGS, Ventiur e WOW.

Se você é de alguma dessas regiões, acompanhe as páginas dos núcleos (aqui) para saber das próximas ações e novidades.

Se você é, ou quer ser, um investidor anjo, escreva para nós (contato@anjosdobrasil.net) para ser convidado para atividades exclusivas.

Achou este post útil? Compartilhe com seus amigos e conhecidos, bastando clicar nos ícones do twitter, facebook, etc. abaixo 

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Quais são os sinais de que minha ideia irá decolar?


O últimos anos foram de grandes avanços para o empreendedorismo brasileiro. Com maior apoio do poder público, o surgimento de aceleradoras, acesso ao capital financeiro vindo de investidores-anjo e fundos de risco, o número de empreendedores e de startups crescendo consideravelmente.
Isso também trouxe à tona uma série de questionamentos por parte dos novos empreendedores que, muitas vezes por despreparo, acabaram não conseguindo levar suas empresas ao sucesso. Um dos problemas enfrentados foi a falta de maturidade em reconhecer quais métricas são realmente importantes para determinar se uma ideia está dando certo ou não. Desta forma, muitos acham que o crescimento em suas redes sociais, acessos ao site ou menções na mídia são tão importantes quanto o número de vendas concretizadas, Churn Rate (índice de cancelamento de clientes) e outras taxas de crescimento.
Em um ambiente de incertezas como o das startups, conhecer os sinais que indicarão se sua ideia irá ou não decolar é fundamental para os rumos do negócio, seja para adequar ou mesmo mudar a proposta inicial. Sobre esses sinais é que iremos nos aprofundar nos próximos parágrafos. Acompanhe:

Modelo de negócios testado e comprovado

O principal desafio de uma startup é testar e validar o seu modelo de negócios até encontrar o momento em que ele seja repetível e escalável. Para isso, é preciso que o produto ou serviço pensado e desenvolvido pelo time encontre um mercado grande o suficiente para se tornar lucrativo.
Na prática, é fundamental desenvolver um MVP (Minimum Viable Product), um conjunto mínimo de funcionalidades em seu produto ou serviço que sirva como levantamento de dados para validação do modelo de negócios, que inclui mercado, perfil de clientes, dentre outras questões. Com ele, você levantará uma base de dados sólida para avaliar necessidades de adequações e até mesmo verificar se a sua ideia irá decolar!
Se houver cada vez mais pessoas aderindo à oferta ou demonstrando interesse em sua solução, que pode vir através do preenchimento de um formulário, por exemplo, logo subentende-se que ela possui uma maior probabilidade de dar certo.

Taxa de crescimento constante

É difícil determinar uma taxa de crescimento que funcione como regra para startups. Cada segmento e cada ideia pode ter sua própria taxa de acordo com a maturidade da empresa e do mercado em que ela está inserida.
Ainda assim, é possível desenhar um cenário que aponte se sua ideia irá decolar ou não. A aceleradora Y Combinator, umas das mais famosas do mundo e que já “hospedou” Dropbox e Airbnb em sua cartela de startups investidas, defende que uma startup está no caminho certo para o sucesso quando cresce entre 5 e 7% por semana. Do contrário, é preciso voltar para a “prancheta”, avaliar a situação atual e até mesmo redesenhar o modelo. A realidade brasileira pode tornar esses números um pouco mais flexíveis, mas permite que consideremos que uma startup deve manter uma taxa de crescimento constante mais alta que a das empresas tradicionais.

Conversões maiores que a média do mercado

As conversões de uma startup talvez sejam as taxas mais fáceis de serem medidas. Em geral, são dados disponíveis através de ferramentas de análise que permitem entender a aceitação da sua ideia, que podem vir não apenas com contratos fechados, mas também com formulários de interesse preenchidos, leads gerados, dentre outros. Um exemplo de validação de ideia que vale referenciar é o do Dropbox. Antes mesmo de recorrerem aos investidores, a empresa desenvolveu uma landing page que visava verificar a aceitação do mercado à proposta a partir do cadastro de interesse dos potenciais usuários, sem que eles soubessem que ainda não havia um serviço desenvolvido. Com os dados em mãos, eles não apenas tiveram a certeza de como a ideia iria decolar como também conseguiram fundos de investimento para tirá-la do papel.


Conseguir encontrar o caminho do crescimento é um dos maiores desafios de todo empreendedor, principalmente entre aqueles que se aventuram com o seu primeiro negócio. É muito importante saber quais os indicadores, sejam eles qualitativos ou quantitativos, são realmente importantes, mas é fundamental também pedir ajuda para enfrentar essa jornada. Para isso, seus investidores, mentores e colaboradores podem ser bastante úteis. Caso tenha dúvidas, você pode também recorrer aos comentários abaixo. Podemos esclarecê-las e até mesmo passar instruções em nosso próximo encontro aqui no blog!
 Quer saber mais em como conseguir investimento? Aprenda mais com os livros "Investidor Anjo - Como Conseguir Investimento para seu Negócio" e "Dicas e Segredos para Empreeendedores"
 Achou este post útil? Compartilhe com seus amigos e conhecidos, bastando clicar nos ícones do twitter, facebook, etc. abaixo ou ao lado

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Como liderar uma reunião com seu conselho

Objetividade: esta é a palavra de ordem e que deve imperar nas reuniões de conselho de sua startup. Isso porque, assim como todas as ações da empresa nesta fase, tudo precisa ser ágil - tanto do ponto de vista da tomada de decisões quanto da otimização do tempo voltado à produtividade. Portanto, planejar e definir as pautas a serem discutidas é primordial para que estas reuniões cumpram o seu papel.
Por uma questão cultural, englobada por burocracias e grande nível hierárquico nas organizações convencionais,  é comum ao empresariado brasileiro esta falta de objetividade. Dá-se muita margem para a informalidade exacerbada, má organização dos pontos a serem abordados, falta de planejamento e, muitas vezes, é comum que os envolvidos se percam em assuntos secundários.
Para que a reunião de conselho da sua startup não siga esta linha, abaixo listamos 6 dicas para que este cenário não se torne parte da cultura de sua empresa, tornando-as mais objetivas e, assim, gerando melhores resultados para o seu negócio!

1.Planejamento é fundamental: defina o que será dito e a ordem das pautas abordadas

Antes de entrar para a sala de reunião é importante ter todas as pautas definidas e elencadas por ordem de prioridades. Isso porque, mesmo com o planejamento e esforços pela objetividade, algo pode acabar rendendo mais discussão do que o esperado. Ao tomar esta atitude, você garante que o imprescindível não será postergado.
 Alguns aspectos que devem ser levados em consideração neste processo que antecede estas reuniões: as interdependências entre pautas, o grau de importância e a necessidade de tempo para discussão que cada uma poderá consumir. Para assuntos mais densos, é importante, inclusive, destrinchar os subtópicos para abordagem, seguindo os critérios considerados para os temas centrais.

2.Garanta um ambiente confortável, leve e respeitoso

O líder da reunião deve ter em mente que quanto mais natural e leve for a reunião, mais à vontade todos ficarão. Por isso, mais eficaz e eficiente ela será. Portanto, além de se preocupar com o ambiente físico, garanta alguma descontração (comedida), determine o tempo de discussão para cada assunto e evite que haja fuga da pauta retomando a liderança de forma sutil.

3.Comece sempre pela apresentação e comparação dos resultados

Em geral, a pauta mais esperada em reuniões de conselho é aquela referente à apresentação de resultados. Isso porque, a partir deles, será possível tomar decisões mais certeiras sobre os próximos passos da sua startup. Portanto, começar por ela irá eliminar a ansiedade, a especulação e, muito possivelmente, servirá de influência nas pautas seguintes.
Quanto maior a variedade das informações apresentadas melhor, desde que elas sejam de fato relevantes. Portanto, em sua preparação para a reunião, atente-se ao cruzamento dos dados das maneiras mais diversas possíveis, levando informações já consolidadas. Para isso, não se esqueça de incluir comparativos entre períodos para um entendimento mais real sobre estes resultados. Apresente gráficos e relatórios de modo que os indicadores de performance fiquem claros e autoexplicativos.

4.Limite a reunião a uma hora e trinta minutos de duração

É comprovado por estudos que estas reuniões não podem ter duração superior a uma hora e trinta minutos. Isso porque, após este tempo, o nível de dispersão e impaciência aumenta consideravelmente, o que tende a influenciar negativamente as tomadas de decisões. Por isso, tente enquadrar todos os assuntos em um período próximo ao indicado, garantindo a produtividade e a geração de ideias.

5.Não tolere adversidades de cunho pessoal durante a reunião

O líder deve estar preparado para intervir sempre que perceber que as discussões estão sendo motivadas por preferências pessoais, como empatia, questões ideológicas e até mesmo disputa de ego entre os participantes. É preciso ter pulso firme! Por isso, todo e qualquer tipo de atitude que indiquem este posicionamento entre os integrantes deve ser banida.

6.Garanta a democracia

Tanto nas discussões quanto nas decisões propriamente ditas, é preciso garantir que a democracia impere. Ou seja, deve ser dada a palavra a todos aqueles que desejem expor sua opinião e argumentos, assim como as decisões devem ser tomadas levando em consideração o desejo da maioria - ou conforme a distribuição do grau de importância de cada participante do conselho.

Estas são algumas dicas que podem auxiliar na árdua tarefa de liderar uma reunião de conselho. Seguindo-as, possivelmente o resultado será surpreendentemente melhor do que os obtidos em reuniões sem estes cuidados.

E em sua startup, quais são as maiores dificuldade neste tipo de reunião? Compartilhe-as conosco através dos comentários! Vamos criar uma troca de informações em prol da eficiência de gestão e crescimento.

Achou este post útil? Compartilhe com seus amigos e conhecidos, bastando clicar nos ícones do twitter, facebook etc. abaixo